“Os efeitos das alterações climáticas sentem-se em todo o planeta, mas não de forma igual” – Kofi Annan

As alterações climáticas são o maior desafio atual da humanidade.

Os efeitos das alterações climáticas sentem-se em todo o planeta, mas não de forma igual.

Em África, já há milhões a sentirem as consequências do aquecimento global.

Porém, há ainda mais milhões que nunca colheram os benefícios que os cidadãos das economias de carbono elevado tomam como garantidos há muito tempo.

A justiça climática exige que o mundo agarre a oportunidade climática.

Os estrangulamentos energéticos ainda limitam a produtividade da agricultura e da indústria africanas.

O défice energético da região trava o crescimento económico necessário para criar empregos e tirar as pessoas da pobreza.

No Relatório do Progresso em África deste ano, apelamos à comunidade internacional para que assuma os compromissos necessários para limitar o aquecimento global a menos de dois graus.

A janela de oportunidade para evitar uma catástrofe climática está aberta, mas está a fechar-se e a fechar-se depressa. É agora o momento de agarrar esta janela de oportunidade.

Juntos, podemos criar uma crescente dinâmica de mudança para vencer a guerra contra a pobreza e criar um mundo justo e próspero.

África pode contornar as práticas energéticas danosas que deixaram o mundo à beira da catástrofe.

Esta geração de líderes africanos tem a oportunidade única de cumprir as promessas de energia para todos.

O desbloqueio do potencial de energia limpa de África pode promover o crescimento e criar empregos.

O relatório de 2015 do Africa Progress Panel explica as medidas arrojadas que devem ser tomadas pelos líderes globais e africanos. E responsabiliza os parceiros de África pelas promessas que ainda têm de cumprir.

Este é um momento para solidariedade humana.

Acima de tudo, o nosso relatório demonstra que o momento climático global é também o momento de África – o momento de África liderar o mundo.